Como funcinam as injeções?

Por Manuel Schutze*

Todo mundo já tomou pelo menos uma injeção na vida e, convenhamos, ninguém gosta delas! Mas para que servem as injeções e como elas funcionam?

Bem, pra começar, é importante dizer que as injeções são apenas uma forma de administrar uma determinada substância ao corpo, assim como é, por exemplo, tomar um remédio ou passar uma pomada. A diferença da injeção é que a substância que é injetada passa diretamente para o sangue, diferente de quando você engole uma cápsula, em que o remédio precisa passar pelo estômago e depois o intestino para então ser absorvida junto com o alimento.

A grande vantagem da injeção é que o remédio se espalha rapidamente pelo corpo, afinal, o sangue transporta a droga para todos os locais do organismo. Outra grande vantagem é que algumas substâncias são destruidas ao passar pelo ambiente ácido do estômago. Ao serem injetadas, essas substâncias chegam intactas ao seu alvo, pois não passam pelo estômago.

Além da administração de drogas, injeções também podem ser usadas para administrar vacinas. As vacinas são substâncias que protegem o nosso corpo contra doenças. Em um outro artigo vou escrever mais sobre elas, mas por enquanto imagine como se fosse assim: o nosso corpo tem um sistema de defesa que funciona como uma força policial patrulhando o organismo e procurando por bandidos (que são os micróbios nocivos). A vacina funciona como uma foto 3x4 desse bandido (geralmente a vacina é composta por pedaços do micróbio). Sem a vacina, nosso corpo demora até reconhecer o micróbio e matá-lo. Isso dá tempo sufieciente para o micrórbio se reproduzir e causar a doença. Mas com a vacina, nossa força policial rapidamente reconhece o invasor e o destrói antes que ele possa causar a doença. Lembre disso na próxima vez que tiver que tomar agulhada no braço!

As injeções podem ser de vários tipos, mas as mais comuns são a intravenosa e a intramuscular. A primeira, é feita em uma veia do braço e pode ser tanto através da injeção direta (pela seringa) quanto através da introdução de um catéter, em que a droga é injetada lentamente (junto com o soro). A intramuscular, como o nome diz, é feita no músculo, geralmente no braço ou na bunda. A vantagem da intramuscular é que demora um pouco mais para a droga injetada chegar no sangue. Mas nos dois casos, a droga vai entrar na circulação sanguínea e ser espalhada pelo corpo todo, tendo seus efeitos nos mais diversos locais.

Bem, agora que você sabe mais sobre as injeções, talvez veja aquela picadinha chata com olhos diferentes!


* Manuel Schutze é estudante de medicina na UFMG e escreve regularmente no Espaço Saúde. Saber mais sobre este autor.

Referências bibliográficas

- H. P. Rang, M. M. Dale, et al. Farmacologia. Editora Elsevier: São Paulo. 5ª Edição - 2003.

[ Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização MESMO QUE CITADA A FONTE - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. ]